Criar leis contra desinformação só vai piorar o problema na Alemanha

Berlim, 09 mar 2019 (Lusa) -- O termo 'fake news' é demasiado amplo para descrever um "problema complexo", defende a organização não-governamental Repórteres Sem Fronteiras da Alemanha, que acrescenta que a criação de uma legislação contra "notícias falsas" só vai piorar o problema.

A organização internacional "evita o termo 'fake news'" porque considera que "um erro jornalístico", por exemplo, também é uma notícia falsa.

"O termo oferece um alto potencial de uso indevido, como podemos ver quase diariamente, quando, por exemplo, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, desacredita o jornalismo real chamando-lhe 'fake news'", sublinha em declarações à agência Lusa, Daniel Moßbrucker, Conselheiro para liberdade de expressão na internet da Repórteres Sem Fronteiras Alemanha.

A Alemanha não tem uma legislação especifica para as "fake news", o que, na opinião de Daniel Moßbrucker, é "positivo" porque o termo "é amplo demais para ser usado numa lei".

"O nosso país tem uma tradição de liberdade de expressão com limitações no código penal, como em casos de incitação à violência ou insultos. Isso não mudou apenas porque o tema da desinformação nos meios de comunicação social atraiu mais atenção do público", acrescenta.

"Embora haja um debate constante sobre o assunto, a minha recomendação é que não tentem resolver o problema com «leis anti 'fake news'» como em França. Não só não é uma solução como irá causar danos colaterais", avisa o Conselheiro para liberdade de expressão na internet da Repórteres Sem Fronteiras Alemanha.

Moßbrucker acredita que as autoridades alemãs estão agora mais conscientes do problema, realçando que o tema das notícias falsas foi muito debatido no país logo a pós a eleição de Trump, nos Estados Unidos, antes das eleições gerais na Alemanha, em 2017.

"Atualmente o tema já não está a atrair a atenção do público alemão com tanta frequência. É normal que haja desinformação na internet e acredito que as pessoas estejam a aprender cada vez mais como lidar com isso", realça.

Para o Conselheiro para a liberdade de expressão na internet da Repórteres Sem Fronteiras Alemanha o problema das notícias falsas não se vai resolver se "o foco estiver apenas nas coisas más", frisando a importância de "acreditar nos meios de comunicação tradicionais e no seu legado".

"Estamos a trabalhar em projetos para a aumentar a visibilidade do jornalismo real na internet e, especialmente, nas redes sociais. Esperamos que apoiar o lado correto de fazer jornalismo e de dar notícias, nos ajude automaticamente a sermos capazes de lidar com o lado negro", explicou Daniel Moßbrucker, da Organização não governamental Repórteres Sem Fronteiras Alemanha.

 

Joana Sousa Dias