MNE apela à participação no projeto europeu em debate com jovens

epa07342680 Foreign Minister Augusto Santos Silva speaks during a press conference to explain the Portuguese government's position of recognition of Juan Guaido as interim president in Venezuela, at the Ministry of Foreign Affairs in Lisbon, 04 February 2019. Portugal thus joins other European Union countries such as Spain, the United Kingdom and Sweden, which have already recognised Guaido as interim president after the deadline for President Nicolas Maduro to call new elections has expired.  EPA/MARIO CRUZ

Lisboa, 12 fev 2019 (Lusa) - O ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, encerrou hoje um debate com jovens sobre Europa na Assembleia da República com um apelo à participação de todos na construção do projeto europeu.

Descrevendo a União Europeia como "um objeto estranho", por não haver outro igual, fundado em nome da paz e que evoluiu para construção de um modo de vida, um modelo social e uma entidade política, Santos Silva frisou a importância de ela ser enriquecida com a participação "de todos os europeus", "homens e mulheres, de todas as gerações, condições, orientações e filiações".

Essa participação, prosseguiu, deve ser feita em três planos: a procura e "interpretação crítica" da informação, a "participação no debate público" e "a participação no poder de decisão", escolhendo os representantes e a orientação política que devem adotar.

"Não importa o que queiram, o que pensem, o que digam. Precisamos que se levantem e votem livremente", lançou à assistência, constituída por perto de uma centena de estudantes de universidades de diferentes pontos do país.

O ministro falou no encerramento do debate "Comunicar a Europa em ano de Eleições", no qual foi publicamente apresentado o relatório sobre os Encontros com os Cidadãos em Portugal.

Informação, educação, 'fake news' e manipulação foram palavras-chave do debate, em que participaram a secretária de Estado dos Assuntos Europeus, Ana Paula Zacarias, a chefe da representação da Comissão Europeia em Portugal, Sofia Alves, especialistas e deputados da comissão parlamentar dos Assuntos Europeus.

Sofia Alves destacou medidas já tomadas pelas instituições europeias, como os acordos com empresas que gerem redes sociais e plataformas para combater as 'fake news' e a criação de um sistema de alerta rápido envolvendo os Estados-membros para sinalização atempada da desinformação.

"A manipulação de informação obedece a quatro 'd': Distrair, distorcer, desanimar, defraudar, e, se não se age muito rapidamente, em menos de 24 horas, já não se consegue", explicou.

Maria de Deus Rodrigues