Lusa vai desenvolver projeto de verificação de ‘fact-checking’

A ministra da Cultura, Graça Fonseca, intervém na abertura da Conferência

Lisboa, 21 fev 2019 (Lusa) - A ministra da Cultura, Graça Fonseca, anunciou hoje que a Lusa, em parceria com outras entidades, vai desenvolver um sistema de verificação de factos, no âmbito do combate à desinformação, proporcionada pelas chamadas "fake news".

"Estamos a desenvolver em conjunto um projeto um pouco mais sofisticado", afirmou a ministra ao intervir na conferência organizada pela Lusa, em parceria com a agência espanhola EFE, destinada a debater o problema das ‘fake news’.

Graça Fonseca afirmou ter desafiado a Lusa a lançar este debate na sociedade portuguesa, dada a importância que o tema tem no futuro das democracias ocidentais e na qualidade da democracia. "É disso que estamos aqui a falar hoje", disse.

"Hoje em dia, a tecnologia permite-nos ter sistemas bastante sofisticados de ‘fact-cheking’", disse, referindo a inteligência artificial como meio de combater a atual "capacidade de os algoritmos determinarem as notícias" que são lidas pelo utilizador.

"A Lusa, em parceria com outras entidades, vai precisamente desenvolver um projeto dessa dimensão", anunciou Graça Fonseca, que tutela a Comunicação Social.

A ministra da Cultura citou estudos de agências noticiosas segundo os quais cerca de dois terços das pessoas acedem a notícias através de plataformas agregadoras de conteúdos e apenas 32% sabe a origem da informação que leu.

Hoje em dia, a maioria das notícias, frisou, não é determinada pelo leitor, mas por um algoritmo que seleciona o que o leitor potencialmente gostaria de ler.

"Isto muda radicalmente a forma como a comunicação social se organiza e como consumimos conteúdos e temos acesso a notícias", sustentou.

Para a ministra, o primeiro passo para mudar o panorama da desinformação é ter consciência do que está a passar-se: parar, questionar e pensar.

"É muito importante que a comunicação regulada, que opera de acordo com um código deontológico conhecido seja uma arma forte, seja capaz de se transformar, de se adaptar e de responder a esta concorrência muito difícil", declarou.

Graça Fonseca estimou que mais de 75% das notícias que se leem em Portugal, em órgãos de comunicação social, tenha origem na Lusa.

"Daí a responsabilidade da Lusa nos conteúdos que publica ser extraordinariamente importante", destacou.

"Várias agências noticiosas noutros países europeus têm estado a desenvolver sistemas também relativamente sofisticados de 'fact-cheking´, não só através de inteligência artificial, mas também de redes físicas de 'fact-chekers'", disse.

Graça Fonseca exemplificou que, se uma agência noticiosa receber uma notícia de um massacre, os sistemas que estão a ser montados permitem que a imagem, antes de ser colocada online, seja verificada em pelo menos quatro origens: "Se a mesma imagem não existir em pelo menos dois locais diferentes ou pelo menos duas agências diferentes, ela não deve ser colocada online".

"É disto que estamos a falar, é da capacidade de, através da tecnologia e da intervenção humana, as agências noticiosas poderem ter este papel fundamental neste primeiro nível de 'fact-cheking' e esse é também um projeto em que estamos a colaborar com a Lusa e queremos que em Portugal também seja um projeto importante", revelou a ministra.

Ana Henriques (texto) e Tiago Petinga (foto)