Verificadores no Mundo

 

CORRECTIV é o primeiro centro de pesquisa sem fins lucrativos na área de língua alemã. Conduz pesquisas de longo prazo sobre queixas na sociedade, promove capacidades de mídia e executa programas educacionais.
Investigativo. Independentemente. Sem fins lucrativos.
https://correctiv.org/en/
https://factcheckeu.info/pt/publisher/correctivfaktencheck

------------------------------------------------------------------------------------------


FactCheckEU:
é um projeto da Rede Internacional de Fact-Checking (Fact-Checking Network - IFCN) que une os subscritores do Código de Princípios da rede na luta contra a desinformação na União Europeia durante as eleições europeias de 2019. A plataforma foi desenvolvida pelo Libération e pelo Datagif. Os artigos desta página foram publicados originalmente nos 19 órgãos de comunicação de comunicação que estão identificados na secção "Quem Somos". FactCheckEU.info é coordenado e editado pela Rede Internacional de Fact-Checking.
Os 19 órgãos de comunicação de 13 países,  desta rede, estão obrigados a seguir 12 requisitos relacionados com matérias de transparência, ética, metodologia e imparcialidade. Os membros são avaliados anualmente por especialistas independentes que verificam se os requisitos estão a ser cumpridos.
https://factcheckeu.info/pt/

------------------------------------------------------------------------------------------

https://maldita.es/

Em Maldita.es , acredita-se que catorze olhos são melhores do que dois, é por isso que são submetidas as informações a um processo de verificação múltipla que contém as seguintes etapas, como se pode ler no site:

Como selecionamos o que verificar?

Selecionamos o que desmontaremos com base em duas variáveis:

  • VIRALIDADE: um possível 'embuste' que apenas nos manda um maldito @ para o nosso número do WhatsApp, ou via Twitter ou Facebook, não é o mesmo que aquele que chega até nós mais de 10 vezes numa hora, ou que tem centenas de compartilhamentos no Facebook ou no Twitter , que foi emitida por uma figura pública de amplo alcance nas redes sociais ou num site ou meio de comunicação de alcance público. Não publicaremos a 'desmontagem' de uma fraude que praticamente não tenha impacto para não amplificá-la, exceto nas situações perigosas contempladas no ponto seguinte. Se se tornar viral, será um dos conteúdos que a equipa Maldito Bulo irá investigar e verificar, tendo em conta as circunstâncias acima mencionadas.
  • PERIGO: há embustes que surgem em situações de crise especialmente delicadas, como atentados ou catástrofes naturais, que afetam a saúde pública ou a convivência social, que tentaremos impedir desde o primeiro momento em que os detectarmos. Um exemplo disso são as mensagens virais que circulam após uma catástrofe natural, como chuvas torrenciais, indicando que a água não é potável .

Nem tudo é verificável: apenas verificamos os dados e factos que podem ser verificados. Não verificamos opiniões , embora apontemos as falsidades que as sustentam no seu caso.

Como fazemos a verificação?

1. Um membro da equipe investiga a possível desinformação para negar e monta uma primeira versão. Nesse processo, entrará em contato com as fontes primárias, verificará a origem das informações, contrastará com bancos de dados de fontes oficiais e / ou realizará processos tecnológicos de identificação de imagem, vídeo ou áudio se necessário.

2. Por meio de um grupo de telegramas, o restante da equipe levanta questões sobre a verificação : com quais fontes ela contrastou, como chegou a uma determinada conclusão, que processos técnicos seguiu para negar certos dados ... e o que está faltando é questionado.

3. Após a auditoria do trabalho do verificador, a negativa é submetida a votação. Os 7 editores do Maldita.es têm direito de voto.

  • Se não houver voto contra, o indeferimento será publicado quando houver 4 votos a favor.
  • Em caso de voto contrário, o processo de verificação deve esclarecer as dúvidas levantadas ou o motivo do voto contra e a votação é realizada novamente.
  • Todos os membros com direito a voto também têm direito de veto. Se alguém vetar uma negação de forma argumentada e após discussão com os membros com direito a voto, seu veto permanece inalterado, não será publicado. Não há veto ideológico e deve ser sustentado por outras razões argumentadas e aceitas.

 

--------------------------------------------------------------------------------------------

https://www.bellingcat.com/

 

A Bellingcat é um colectivo internacional independente de investigadores e jornalistas, cidadãos que utilizam investigação de fonte aberta e meios de comunicação social para investigar uma variedade de assuntos - desde os senhores da droga mexicanos e crimes contra a humanidade, até ao rastreio do uso de armas químicas e conflitos em todo o mundo. Com pessoal e colaboradores em mais de 20 países em todo o mundo, opera num campo único onde a tecnologia avançada, a investigação forense, o jornalismo, as investigações, a transparência e a responsabilização se juntam.

A Bellingcat tem 18 funcionários a tempo inteiro e mais de 30 colaboradores em todo o mundo, que são geridos por uma equipa de gestão de quatro membros (director executivo, director de negócios, chefe de formação & investigação, e desenvolvimento de gestores de projectos).

Para quem queira aprofundar o trabalho desta equipa internacional, o relatório de 2019:

https://www.bellingcat.com/app/uploads/2020/09/Bellingcat-Annual-Report-2019.pdf

------------------------------------------------------------------------------------------

https://africacheck.org/

A Africa Check é uma organização sem fins lucrativos criada em 2012 para promover o rigor no debate público e nos meios de comunicação social em África.

Eis a apresentação que consta no site:
Os factos são importantes. Todos os dias em toda a África, as pessoas tomam decisões, grandes e pequenas. Para o fazer, confiam na informação disponível ao público. Muitas vezes essa informação é enganadora ou simplesmente errada.

Rumores de que a vacina contra a poliomielite causou infertilidade e fez parte de uma conspiração para reduzir a população muçulmana  em todo o norte da Nigéria em 2002 e 2003. As alegações infundadas foram partilhadas nas comunidades e acreditadas pelos líderes de vários estados da região, que então fomentaram um boicote à campanha de vacinação contra a poliomielite. Isto levou a um surto de casos.

A agravar o problema da desconfiança do público, os meios de comunicação social noticiaram estas alegações sem as interrogar.

Quando as reivindicações nocivas foram retiradas, os danos já tinham sido feitos. A doença devastadora, que estava em retirada em todo o mundo, alastrou a outros países da África Ocidental, e ao mundo.

O impacto desta falsa informação na Nigéria tornou claro que a África precisava de uma organização dedicada a responsabilizar figuras públicas pelo que diziam, e a desmascarar as perigosas falsas declarações.

A sede da Africa Check está situada no Departamento de Jornalismo da Universidade de Witwatersrand, em Joanesburgo, África do Sul. Temos também escritórios em Nairobi, Quénia; Dakar, Senegal; e Lagos, Nigéria.

------------------------------------------------------------------------------------------

https://fullfact.org/

Quem somos?
A má informação arruína vidas. Somos uma equipa de verificadores de factos independentes e activistas que encontram, expõem e combatem os danos que ela faz.

Alegações falsas ou enganosas afectam-nos a todos. Como verificadores de factos, vimos em primeira mão como a má informação promove o ódio, prejudica a saúde das pessoas, e prejudica a democracia.

Merecemos melhor.

O Facto Completo luta pela informação certa para chegar às pessoas que mais precisam dela, quer sejam indivíduos a tomar decisões sobre a sua saúde ou em quem votar; ou políticos a debater o futuro do nosso país.

Os nossos princípios são simples. Qualquer pessoa que faça alegações sérias no debate público - incluindo verificadores de factos - deverá estar preparada para tal:

Acertar os seus factos
Apoiar o que eles dizem com provas
Corrigir os seus erros.

O que fazemos?
Combatemos a má informação de diferentes maneiras. Em primeiro lugar, verificamos as alegações feitas por políticos, instituições públicas e jornalistas, bem como o conteúdo viral em linha. Todos nós merecemos informação em que possamos confiar.

Seguimos as nossas verificações dos factos. Pedindo às pessoas que corrijam o registo quando se enganam, podemos parar e reduzir a propagação de má informação.

Estamos a desenvolver tecnologia líder mundial e novas pesquisas para detectar reclamações repetidas, e descobrir como a má informação pode ser enfrentada à escala global.

E fazemos campanha pela mudança que tornará a má informação mais rara e menos prejudicial. Actualizar as nossas leis eleitorais para proteger contra alegações enganosas em linha, por exemplo.

Como o fazemos?
Full Fact é uma instituição de caridade registada. Somos transparentes quanto ao nosso financiamento, e é graças ao apoio de milhares de pessoas e organizações que o nosso trabalho se mantém independente.

------------------------------------------------------------------------------------------

https://firstdraftnews.org/

A nossa missão
Hoje, mais do que nunca, precisamos de ter acesso à verdade. Mas neste ambiente de informação poluída, nunca foi tão difícil saber em que confiar, e nunca foi tão fácil ser enganado. A desinformação está a visar e a prejudicar as nossas comunidades, em todo o mundo.

Na First Draft, a nossa missão é proteger as comunidades da desinformação prejudicial. Trabalhamos para capacitar a sociedade com o conhecimento, a compreensão e as ferramentas necessárias para superar a informação falsa e enganosa.

Tudo o que fazemos começa com a colaboração.
Reunimos uma rede global de jornalistas para investigar e verificar as histórias emergentes. Trabalhamos com os nossos parceiros para conduzir projectos de investigação inovadores e desenvolver programas de formação pioneiros. E partilhamos ferramentas digitais de ponta para ajudar tanto os criadores de conteúdos como o público a fazer julgamentos mais bem informados sobre a informação que encontram em linha.

Ao defender a verdade num mundo polarizado, podemos construir mais confiança na sociedade e ajudar todas as comunidades a prosperar.

------------------------------------------------------------------------------------------

https://factcheck.afp.com/

 

O blog do AFP Checamos foi criado em junho de 2018. A equipe, localizada no escritório do Rio de Janeiro, conta atualmente com duas jornalistas dedicadas à verificação.

As jornalistas são supervisionadas pelo chefe de redação e pela diretora do escritório. Cada verificação é editada por pelo menos dois integrantes da equipe de coordenação do projeto. A equipe editorial também supervisiona o blog de fact-checking em espanhol Factual, igualmente lançado em junho de 2018 e mantido por jornalistas nos escritórios da AFP na América Latina e na Espanha. O blog de fact-checking em catalão Comprovem, inaugurado em setembro de 2019, também é supervisionado pela mesma equipe.

No Brasil, a AFP tem também escritórios em Brasília e São Paulo.

 

A verificação de informações está no centro da missão e da atuação da AFP, pioneira das agências de notícias mundiais há mais de 180 anos.

Com a criação de um blog dedicado à verificação de notícias, a AFP responde ao fenómeno de multiplicação de informações falsas registado em todos os media. Essa abordagem naturalmente amplia o projeto colaborativo CrossCheck, criado durante a campanha presidencial francesa de 2017, no qual a AFP teve papel decisivo na confirmação final da verificação dos fatos nos artigos produzidos.

Neste blog, os jornalistas da AFP efetivamente desmontam mentiras, conteúdos enganosos e atestam a veracidade de informação cuja legitimidade é questionada. Eles também fornecem o contexto sem o qual a informação não tem significado, ou mesmo induz a erros de interpretação. Seu trabalho visa à neutralidade e à ausência de preconceitos.

Os jornalistas selecionam o conteúdo a ser verificado de acordo com vários critérios, incluindo seu interesse editorial, a extensão de sua difusão e/ou sua presença no debate público.

Desempenham esta tarefa com respeito constante ao objetivo da AFP de fornecer ao público e a outros jornalistas informações "precisas, imparciais e dignas de confiança", como prevê a Carta da Agência France-Presse.

Seu trabalho de apuração se baseia nas contribuições das redações da AFP em todo o mundo. Como toda a produção editorial da agência, segue nossas regras de boas práticas profissionais.

Ao longo desse processo, os jornalistas procuram compartilhar recomendações e ferramentas nas quais confiam para que outros executem as verificações.

------------------------------------------------------------------------

+ 'factcheckers'